quinta-feira, 11 de abril de 2013

Falling plates...

video

É sempre bom lembrar do GRANDE  amor que Jesus tem por nós, mesmo que já O conheçamos, mesmo que já O tenhamos confessado em nossas vidas, mesmo que Ele já tenha a chave do nosso coração, e por isso talvez ainda bata por pura educação.
É sempre bom lembrar que esse AMOR que nos ama, todos os dias nos aguarda, e espera que através d'Ele sejamos anunciadores desta verdade tão latente e infelizmente já tão clichê: JESUS TE AMA!

quinta-feira, 4 de abril de 2013

É que vontade não me falta...


Ter um blog é complicado pra pessoas como eu: cheias de nada pra fazer, mas sempre muito ocupadas, hehe.
Porém, ter um blog é super legal (como diria meu sobrinho) pq qnd a gente lê tudo que escreveu, somos visitados por um processo sinestésico único.
Esse blog foi criado por nós (eu e marido mega lindo, Renato) pra contar as aventuras e desventuras (pq não?!) de ter um casório hand made, maaaas isso foi há quase dois anos!
Hoje estamos casados, nossa casa eh mt a nossa cara, temos um vídeo game pra chamar de nosso, temos um Pé de Chocolate, temos Jesus e amor pra vida inteira...
As coisas não mudaram de valor, somente de status.
Tô reativando o bloguinho, ou pelo menos tentando!
Bjoks de amor!

segunda-feira, 12 de março de 2012

Discovery Channel contrata eu!

Sinceramente tem dias que a vida parece que tá com freio de mão puxado!
Um trem que num anda, outro que desanda, e eu indefesa (se é que alguém com 1,80m pode denominar-se assim) continuo no olho do furacão!
Nos últimos dias, poucos dias, diga-se de passagem, um milhão de coisas aconteceram (tenho licença para fazer uso de hipérboles como eu bem entender).
 Se as coisas são boas, weelll, não sei, se são ruins, sei menos, mas tenho certeza de que colação de grau é um evento que faz a gente passar fome, mas como diria o Coragem – O cão covarde : - O que eu não faço por amor? Por isso resisti bravamente na quinta, após 4 horas ininterruptas de auto destruição, bizarrice e um amigo filho fofo que finalmente se tornou nuuuuuuuuuurse! Parabéns pro Tulindo.
Sexta feira não precisa ser 13 para gente querer bancar o Jason e sair picando geral com uma moto serra!! E para isto tenho meus contatos no bombeiro!
Porem sábados animados (plagio descarado do SBT, há 30 anos com vc!) tem o poder de anuviar (ela esta de volta: TIA VÉIA, EU TE AMO!) tensões. Dei um rolê básico em Catalão e mais uma vez tive a convicção de que Jesus é o Cara, forever!
Além de estar a cada dia mais convicta de que o agir de Deus é lindo (Cassiane é vc?), fiz recentes descobertas: minha melhor amiga é rica, encontrei um ursinho carinhoso perdido em Goiás, alimentos embalados a vácuo sofrem um bocado, mangas de camisetas são mini cativeiros,  ter muita idade está mais relacionado com a perda de fios capilares que com o clareamento involuntário dos mesmos e que xixi de jabuti é um troço fedido para caramba! Eco!
Ah descobri que ser sindica pode ser muito chato, quase um kamikaze com sushi!



Bjobjo!

quarta-feira, 7 de março de 2012

I'm heeere!!

Março é o meu mês da re-volta.
Sinceramente não estou nem um pouco as turras com qq coisa que seja, pelo contrario ando de boa da vida.
Re-volta, é só um trocadilho brega para dizer que I’m back!
Depois de longos quatro meses de silêncio e clausura, acho que é hora de voltar a ativa, na narrativa do meu cotidiano de moça crente do interior. (hoje acordei meio repentista de feira, no meu caso de quarta feira).
Pois é, as boas novas são muitas: mudei, casei (essa eh boa velha), me tornei desempregada por opção ( S2), adotei um condomínio e um jabuti, faço ovos de pascoa e descobri que uno pode me tornar adicta da jogatina.
Pois bem, meu apê ficou pronto, ou pelo menos me iludiram quanto a isso. Afinal este singelo espaço que me exclui da lista dos sem teto tem uma fonte inesgotável que jorra para o apartamento do andar de baixo e trouxe para o meu doce lar um agregado fiel, Claudinei - o pedreiro.
Pedi demissão do meu antigo emprego, e ganhei um trabalho: sou sindica!
(neste momento você pensou: LOKA!) Eu sei, todos pensam. Mas aos 26, uma pessoa assim como eu suuuuper centrada (?!), mãe de dois pets, empresaria do ramo alimentício (chocolate é alimento, na pascoa enton, é necessidade básica), etc... Ser sindica é moleza!
Ruim mesmo gente, é andar de kamikaze (não sei se o verbo correto para descrever o fato de fazer o uso de tal “brinquedo” é andar, mas brincar eu tenho ctz que não é!) definitivamente foi a pior experiência da minha vida. Parques dotados deste módico “brinquedo” não deveriam ser denominados parques de diversão, e sim de destruição, pois foi assim que sai desse troço, destruída física e emocionalmente, e isso nada tem a ver com eu ter comido antes ...
Pois bem, mesmo depois que uma tentativa inconsciente de suicídio, estou aqui, enrolada com o nada pra fazer dessa vida que é sempre tão cheia e agitada, mais é boa demais sô!

Bjo bjo!

Must have!!

Eu tenho sonhos que foram adormecidos, mas que agora já foram novamente despertos.
Tenho um coração que às vezes sangra, mas já entendi que é necessário.
Tenho pés que já caminharam um bocado, mas que não se cansam.
Tenho um sorriso que teima em surgir, e eu prefiro que seja assim.
Tenho amigos com diferentes configurações e status, e com eles a vida se torna mais leve.
Tenho também lágrimas que rolam por motivos diversos, mas que regam minha fé.
Tenho fé nova a cada dia, e por isso eu sigo.
Tenho amigo fiel, a quem também posso chamar de Pai...
Tenho na alma um anseio, sem receio. Espero, ainda que o tempo passe...
... continuar sempre de pé!


"Deficiência não consiste em não poder caminhar, mas em desistir de fazê-lo..."

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Quem é ela??

Gosto muito desses “projetos” gringos tipo: o que as crianças pensam sobre o amor (dae rola um vídeo com um monte de crianças dizendo o que é o amor. So cute!)
Tem também um muito legal de crianças falando sobre Deus, impagável a sinceridade dos pequenos.
Enton hoje resolvi ME propor algo (de longe) parecido: meu olhar sobre minha mãe...
Estranho pensar nisso às vezes e ver como com o decorrer do tempo minha perspectiva em relação a ela mudou.
Na verdade ainda a vejo muitas vezes como um ser encantado, com super poderes (e de fato todas as mães são assim), mas ao mesmo tempo, hoje percebo nela uma fragilidade que dantes não conhecia. Afinal a fragilidade era minha, pq qnd somos crianças é assim mesmo. Precisamos da mão que nos segura pra atravessar a rua, nas compras no supermercado, e no meu caso eu precisava também de um espaço na cama dela, pq debaixo da minha tinha um monstro!
A minha fragilidade fazia dela um super ser, o lugar mais seguro da terra, e mesmo que hoje eu saiba que não tinha nada sob a cama, e que eu ande por todos os lados sem me estarrachar debaixo de um carro, ou também pq agora qnd vou ao mercado, é pra fazer compras pra minha casa...
Tudo isso que me fez adulta, não consegui fazer com que ela perdesse seus super poderes.
Ainda que eu saiba que ela não é perfeita como eu pensava há uns 20 anos atrás, mesmo que eu conheça todos os seus problemas, sonhos e desafetos, é difícil ver a popular transição de filhos que se tornam pais de seus pais.
Vejo o quanto ela precisa de cuidado, e fico assustada.
Noto que ela sente tanta tristeza pq crescemos (eu e meu irmão), e fico triste também.
Percebo que o tempo tem passado, e deixado marcas em seu corpo, que a sua saúde já não é tão polivalente como quando eu nasci, e mesmo que tudo isso me arranque lagrimas, me faça perder o sono, me leve a “incomodar” a Deus, fico fascinada de ver que mesmo diante de tantos sobressaltos, nada disso a fez perder a doçura e a força que ela tem!
Que o mesmo coração que sangra, é aquele que ama incondicionalmente, e o corpo pequenino que outrora nos carregou no ventre tem fibra suficiente pra ir à luta quando precisamos (nós sempre precisamos, obrigado Deus por isso!) e que mesmo que ela já tenha trabalhado muito durante a vida e que em alguns momentos ela pareça inerte, existe nela uma força sobrenatural, um misto de fé e maternidade que ninguém consegue conter, algo tão forte que me prende a ela...
Não existe no planeta valor monetário algum que pague a felicidade que sinto ao ver a alegria dela quando eu vou visitá-la, mesmo que ela tenha que se levantar as 6 da manhã (visitas em horários esdrúxulos, eu faço!), descabelada e com frio pra me dizer: -Oi!
Eu facilmente poderia passar horas a fio sem notar o tempo, conversando com ela...
Por que é mais que amor, é fascinação o que sinto por ela.
Esse é o meu olhar sobre a mamãe, olhar de uma criança que cresceu e não deixou de vê-la maior que as dores do mundo.
E mesmo que hoje eu conheça suas fraquezas, ainda acho que se o monstro do meu quarto voltar, ela sabe como mandá-lo embora!



sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Devo! Não nego! E não tenho como pagar...

Tem sido difícil achar tempo pra alinhar ideias de uma forma que eu goste. Derrepente a minha afinidade com as palavras parece ter adormecido em algum lugar dentro de mim, e quando elas estão prestes a se achegarem novamente, BUUUU! Um susto e elas saem correndo...
Os ruídos do dia a dia, interferências, percalços, afetos e seus antônimos, tudo tão junto sem nenhum sentido, um monte de sentimento que me faz real, assim como algumas pessoas que habitam em mim.
Hoje percebi que devo dá-las um novo adjetivo, mais que Salvador, mais que super marido, mais que melhores amigos, mais que um Chuck pra chamar de meu e mais que melhor mãe do mundo. Percebi que a todos estes não muitos, os tenho por credores, e felizmente jamais poderei paga-los o beneficio da caminhada lado a lado...
Jamais poderei por motivos óbvios pagar Jesus pelo seu imenso amor que me deu vida, nova vida em tempos de escuridão...
Jamais poderei pagar meu marido pelo amor devotado a mim com todo seu coração e seu sorriso diário que acalma qualquer tempestade no meu coração...
Certamente continuarei em debito eterno com pessoas que sabem o que é amar ao próximo sem ao menos saber se deveriam se aproximar, assim como meu amigo Lucão, fatalmente seguirei  devendo a Ká pela esforço para me manter de pé, a Cissa pela doçura da sua companhia.
Creio que não poderei pagar um centavo ao Tafa por cada vez que ele foi pra mim um exemplo, e pela profunda admiração que ele fez nascer em mim.
Devo e não nego, a Lú por sua força tão bem equiparada com sua fragilidade e seu senso de humor inenarrável, a Marisa pelo coração que dói pela causa alheia, a Cacau pq de uma vez por todas ela me ensinou a ser gigante quando ainda se é pequenino.
Tulio, você não existe! Lembre-se disso, mas ainda assim faz meu coração doer de saudade e meus joelhos tb...
Não posso pagar também o abraço enorme do André, primeiro porque jamais serei do seu tamanho, e também nunca serei tão adulta, mas você sempre será o melhor conselheiro de todos os tempos...
Núbia, quero aprender a não me lembrar do que me fere com você, e quero te dizer que deverei perpetuamente a ti sua amizade.
Ficarei com pendências no SPC celestial em razão da irmã extra que ganhei durante as minhas andanças, e sinceramente Aninha, não me importo, o importante mesmo é você pra mim...
Luiz com Z, conselho se fosse bom seria vendido e não dado, e mesmo sendo pão duro você sempre tem uns bons conselhos pra me dar.
Ao Chuck da minha vida devo muito, pois somente ele sabe o que é ser irmão em tempo integral, assim como minha mãe, devo a ela tudo que eu sou, ou seja, nem se eu fosse a n°1 na Forbe’s deste ano poderia pagar...
Devo muito a cada um de vocês, e ainda assim só posso retribuí-los com duas frases: Muito obrigada por tudo! E: Eu amo vocês!

Quando a gente entende que as pessoas da nossa vida se ofertam a nós dia após dia, finalmente vivemos uma gratidão verdadeira!